Arquivo de janeiro, 2011

Em meados de 2005 foi decretada a falência do Banco Santos que tinha como principal acionista e dono o empresário Edemar Cid Ferreira,o banco foi interventivo pelo BC por suspeita de irregularidades nas concessões de empréstimos,tendo como principal especulação a falta de crédito do próprio banco para com o seus acionista,em tese o banco trabalhava no vermelho e mesmo assim concedia empréstimos e dividendos a terceiros.Outrora seria normal os “crash” bancários,que ocorrem desde  do final do século XIX,pelo mercado financeiro,pelas crises mundiais de produção, e também por incompetência bancárias. Porém aqui em terras tupiniquins ocorre que tais “crash” são claramente patrocinados por verdadeiras manobras ilícitas por parte de seus chefes e conciliadores,o pior é que tais malabarismos geralmente tem como pano de fundo o próprio estado de Direito e a justiça.Aqui os bancos e todo o sistema financeiro de falcatruas anda de mãos dadas com excelentíssimos chefes de gabinete da pasta judiciária.

Edemar Cid Ferreira,astuto colecionador de obras de artes e dono de empresas milionárias é acusado de fraudar empréstimos,de desviar debêntures (espécie de empréstimos acionais) para serem aplicados em empresas ligadas ao seu nome,que geralmente correspondiam a empresas “laranjas” ,ou seja,empresas feitas para limpar dinheiro e fraudar impostos de renda.Há outros processos em seu encalço,também há acionistas e depositários que até hoje não viram um centavo do dinheiro perdido no banco,esses porém são meros ou pequenos empresários,que não possuem poder e nem recursos para fazer manobras a seu favor,caso contrário por exemplo da família Sarney.Roseana Sarney emitiu um empréstimo falso datado no dia 29 de julho de 2004,em nota ao Banco Santos de 4,5 milhões de reais,e resgatar assim 1,5 milhões de reais ao banco UBS na Suíça para financiar a construção de um Shopping no Rio de Janeiro,tal empréstimo jamais foi feito,porém com auxilio de Edemar,Roseana conseguiu sob liberação imediata o dinheiro do banco da Suíça ,dinheiro que não se sabe da onde veio,a não ser que Sarney admita ter contas na Suíça sem fiscalização alguma.Quatro meses após essa operação,o Banco Santos faliu e José Sarney dias antes retirou todo seu dinheiro do banco ,revelando o grande laço de intimidade com o banqueiro que em um gesto de camaradagem foi convidado a ser padrinho de casamento de Roseana,a filha de Sarney.

Foi ordenada à Edemar um pedido de prisão,o que equivaleria  a 20 anos dentro de uma acomodável cela,porém em limiar concedida por Gilmar Mendes,até então ministro do Supremo Tribunal Federal,Edemar se abstêm da prisão por um Habeas Corpus.Gilmar Mendes em 2008 conseguiu o mandato de presidente do Supremo Tribunal Federal,órgão máximo da delegação judiciária do nosso país.Por um acaso,o mesmo Gilmar Mendes concedeu à Daniel Dantas,outro banqueiro relacionado a escândalos,outro Habeas Corpus,duramente criticado não só pela oposição,como por grande parte dos parlamentares do supremo,no entanto a limiar foi aceita e Dantas solto.

Daniel Dantas,oriundo da Bahia,com origens de conde e barão,é um  banqueiro e empresário digno de título da trilogia de Coppola,o Poderoso Chefão.Aliás mafioso seria um titulo de baixo escalão para o então banqueiro brasileiro.A “cosa nostra” funcionou durante os anos de 1999 até o fim do ano 2008,quando certos esquemas do banqueiro acabaram por estourar a bolha de intrigas,e então pediu-se a limiar escrito até pouco por Gilmar Mendes.Estudado seu mestrado nos EUA,Daniel volta ao Brasil e faz influências e conciliações como uns dos sócios do Bradesco,após grande acumulo de dinheiro deixou este para fundar o seu próprio, o Banco Opportunity.

Ganhou grandes fortunas com transações  em mérito não por grandes diagnóstico,mas sim por belas conciliações com representantes políticos,adquirindo influências governamentais e levando grandes fortunas em cima de privatizações estatais de grandes empresas,um exemplo a Brasil Telecom.Entre acordo e desacordos com empresários,partidos e mafiosos italianos e árabes,Dantas conseguiu adquirir o controle da Brasil Telecom e outras empresas estatais,agora privatizadas.Um grande empreendimento que o colocou entre uma das pessoas mais  perigosas dentre os principais mafiosos do país,um deles ACM,Antonio Carlos Magalhães,que como bom político ,a poucos manteve bons relacionamentos com Dantas.Contudo os esquemas bancários de Dantas eram muito mais complexos e detalhados,envolvia falcatruas de diversas origens, cimentadas por grandes partidos políticos, suas parcerias em esquemas vão do mais alto escalão ,beirando o topo de nossa corte jurídica,até entidades estrangeiras,como políticos e empresários italianos e sicilianos.Em 2006 estourou no Brasil,liderado pelo PT, o escândalo que ficou conhecido como o Mensalão,onde grande parte do poder publico recebia propina em troca de favores estatais,como super-faturação,licitações,e sabe mais o quê, à empresas do setor privado que em troca lhes davam quantias mensais de dinheiro.Uns dos patrocinadores de todo esse dinheiro era o banco Opportunity,que através da empresa Telecom repassava o dinheiro à Marcos Valério que distribuía-o aos políticos ligado ao esquema apelidado como Valerioduto.

Dizem que os acasos acontecem,que o destino é traçado por linhas tortas que por sua vez encontram outras linhas.Porém no triste caso do Brasil os acasos dos banqueiros sempre se trombam com os casos dos nossos políticos.E de contratos feitos com o diabo vão seguindo felizes,alguns estão falidos entre obras de arte de milhões de reais,e outro foram presos e soltos no mesmo dia,e enquanto isso, o acaso com o sistema público e com a sociedade continua,enquanto que os casos de banqueiros e político-empresário,infelizmente,também.

 

Anúncios

Gaspar Noe,Franco-Francês,nasceu em Buenos Aires em 1963.Polêmico,audacioso,inovador,ou simplesmente louco,verdade é que seus filmes sempre imergem do subterrâneo,do “underground”, ao sucesso de vendas,como por exemplo “Irreversível” um filme aclamado e ao mesmo tempo odiado pelas críticas e pelo público.Em sua nova produção,ou não tão nova assim,pois a idéia deste filme já vinha perturbando Gaspar a um bom tempo,antes mesmo de Irreversível(2002) que foi como um ensaio ,diz o cineasta, para Enter The Void.Sendo assim o filme estréia ainda este ano (em maio de 2011) aqui pelo Brasil,porém eu como um bom cinéfilo já baixei,sincronizei as legendas,e gravei-o em DVD,curtindo mais de 2h e meia de filme(uma viagem um tanto psicodélica),em meu sofá comendo pipoca e tomando guaraná.

A estética de um filme é a sua primeira impressão,as vezes um filme pode ter um péssimo roteiro mas se possuí uma boa estética visual será bem recebido pelo público em geral,e logo se tem um filme com um ótimo lucro mas que não consegue dizer nada.O que diferencia um bom filme de um filme “bem feito”  é a junção entre a estética e o roteiro,à qual é o ingrediente certo para os bons filmes.Enter the Void junta tais conceitos perfeitamente,a estética é, digamos, um tanto “psicodélica”,com muito jogo de luz e viagens computadorizadas com efeitos “retro”e que está em consonância com o jeito inovador de filmagem,para quem não sabe o filme é em “primeira pessoa”,a câmera (um artefato técnico do cinema) vira personagem do filme,introduzindo o espectador  dentro do mesmo,tudo juntado e em simetria com a estética de luzes e o jeito de manusear livremente as tomadas.

Em seguida o roteiro não só depende dessa estética em primeira pessoa e excêntrica,como é parte fundamental desta,uma simetria muito bem trabalhada por Noé e que o põe como um dos grandes cineasta do nosso tempo.Oscar vive em Tóquio(há cidade no mundo mais iluminada do que Tóquio?),perdeu os pais em um acidente de carro e só lhe sobrou sua irmã,esta vive como stripper e ele começa a vender drogas.Ponto para dizer,uma das primeiras cenas do filme é Oscar inalando DMT,tudo é claro em primeira pessoa,a viagem desta cena,e de outras várias,utilizando como pano de fundo drogas alucinógenas e efeitos de luzes com uma câmera totalmente alucinada e livre é uma cena única e rara no cinema.Ponto para recomeçar,Oscar vai fazer uma entrega em um lugar chamado The Void e é assassinado alí,passando para uma nova perspectiva,uma perspectiva fora de seu corpo,é uma viagem astral em que a partir daí,do ser vagando entre as paredes de Tóquio,que começa toda a essência do roteiro.Em Irreversível Gaspar Noé,escreveu um roteiro em que na verdade era escrito como o filme,de trás para frente,em Enter The Void o roteiro é em outra perspectiva,a de um espírito que “viaja” e acompanha todos os outros personagens,mas que também vive suas lembranças e seus traumas. Inspiração pura do livro Tibetano dos Mortos.Ou de uma viajem do diretor com Ayahuasca nos planaltos do México.

Porém nem tudo é só mar do rosas,Enter The Void é considerado um filme “Junkie”e de fato é,cenas de sexo e drogas é o que não faltam no filme,assim como um certo mal estar com a câmera,por exemplo são horas só de tomadas como a visão que passa por cima dos prédios vendo o seu interior,horas de cenas nebulosas e tapes com luzes piscastes,mas em fim,é um ótimo Junkie,imperdível para quem já admirava Gaspar Noe,e essencial para quem curti um bom filme excêntrico.Eu espero outra oportunidade para revelo,talvez agora com um pouco menos de lucidez.